O MISTIFICADOR: 2012, depósitos Montepio sem crescimento e resultado à custa da AM

“Montepio foi o banco que mais cresceu em depósitos no primeiro semestre”  foi a manchete  que titulou um artigo de página inteira no Diário Económico, de 16 de Agosto, e onde é afirmado: “A instituição liderada por Tomás Correia foi a que mais depósitos captou entre Janeiro e Junho – de entre os sete grandes bancos que já apresentaram as contas – registando um aumento de 9,6% nesta rubrica.”.
Esta foi a ideia geral que foi reproduzida na comunicação social.
É falsa e é uma mistificação.
É um truque de desinformação, que coloca a enfase no crescimento homólogo (Junho 2011, a Junho 2012),  induzindo à conclusão errada de crescimento no ano corrente, onde,  como se verifica no mapa abaixo:

Jun-2011 Dez-2011 Jun-2012 Crescim. Crescim.
Homólgo    2012
Depósitos   Clientes 12.609.862 13.701.919 13.820.409   9,60% 0,80%

(Fontes: Relatórios e Contas Montepio)
os depósitos de clientes da CE, em 2012, estagnaram se não mesmo regrediram (30/Junho é dia de referência para o Relatório semestral e alvo de engenharia para o embelezar, não reflectindo a normalidade da actividade) e este ano ainda mais, certamente.
E há factos que corroboram esta quase certeza.

Caso fosse verdade o crescimento dos depósitos em 2012, conjugado com a redução do crédito mencionada na comunicação à CMVM (2,7%) deveríamos estar perante uma situação folgada de liquidez.
Ora, a CE colocou, no mês de Agosto, e pela primeira vez na sua história,  três emissões de papel comercial,  de 100 Milhões € , cada. O recurso a emissões de papel comercial (a prazo de 180 e 365 dias) são, normalmente, prenúncio de  dificuldades de liquidez.
Por outro lado, se a CE está a ser bem sucedida na captação de recursos,  faz pouco sentido os recados de Tomás Correia  ao BP, em entrevistas, para este  penalizar os bancos que remuneram excessivamente os depósitos.  Algo está errado.
A dificuldade da CE neste dominio, é confirmada no site da CMVM ao revelar que a  emissão de 31/Julho de papel comercial foi praticamente ignorada pelo mercado – dos 100 milhões colocados, apenas 21,3 milhões foram subscritos. Este insucesso fundamenta o lançamento de mais duas emissões em 20/Agosto.
O mercado está mais imune que os associados do Montepio à propaganda.

O resultado de 4,8 milhões

Qualquer informação de gestão da Caixa Económica  só pode ser avaliada com o conhecimento da informação de gestão da Associação Mutualista.
A  Associação Mutualista é, presentemente, um instrumento da Caixa Económica
quando, é fundamental nunca esquecer, foi criada precisamente para ser ela a gerar valor para os Associados. Esta Administração, tem transferido da CE para a AM, Custos e Prejuizos e tem-lhe diminuído as Receitas, empobrecendo-a, reduzindo os benefícios dos associados e pensionistas.

A titulo de exemplo, a Associação Mutualista é o maior depositante da Caixa Económica, mas é também o mais mal remunerado.
No último triénio, a Associação Mutualista, caso tivesse beneficiado das taxas de juro de mercado, deveria ter recebido mais 26 Milhões de euros.

  2009    2010   2011
*   Depósitos AM na CE    667     345    462
   Taxa Juro recebida     (1)    2,4%    1,7%     2,7%
   Taxas de mercado      (2)     4%     4%    4,5%
*              (2) – (1)   10,67     7,29    8,32

* Milhões euros     (Fontes: Relatórios e Contas Montepio)

Sem aquele conhecimento, e de novo, a informação sobre o resultado da CE, vale o que vale. Para mim nada a não ser manipulação em ano de eleições.

O que se pretende esconder?

As 278 páginas do relatório semestral do ano passado, foram substituídas este ano, por uma pequena comunicação de apenas 2,5 páginas. Não há Balanço, nem Conta de Resultados.
Por outras palavras, não há informação para análise autónoma e independente. A comunicação é um panfleto de propaganda para alimentar a comunicação social.
Mas Tomás Correia não é só ao mercado que esconde informação: acaba de retirar à Comissão de Trabalhadores do Montepio  o acesso à informação de gestão que lhe é devida por Lei, facto inédito mas bastante significativo.
Ou estamos perante um comportamento obsessivo de secretismo, ou perante uma  grande manipulação. Qualquer das hipoteses não auguram nada de bom e não honra a tradição democrática que presidiu à fundação da Instituição.

A Revisão de Estatutos da Caixa Económica

O monstruoso desrespeito estatutário deste processo de Revisão já foi objecto do meu artigo “Mais outra? ”.
Convocar a 17 de Agosto – época balnear –  a Assembleia para 1 de Setembro,  a dois meses das eleições, é um golpe palaciano às claras.
Não disponibilizar sequer o documento que irá ser discutido na Assembleia,  ultrapassa os limites da decência, mas não surpreende e é coerente com a gestão obscura desta governação.
Mais e melhor informação,  independência  e autonomia dos  orgãos de fiscalização,  são alguns dos principios defendidos pela CMVM dos quais esta Administração foge a sete pés.

O Governo do Grupo Montepio precisa de ser repensado e ajustado às exigências dos mercados, aos bons princípios e às boas práticas da gestão moderna. Logo, tem de ser equacionado na sua globalidade e na interacção das suas várias componentes, não perdendo de vista a sua razão de ser e finalidade mutualista.
Alterar pontualmente os Estatutos da CE, nos moldes em que o processo se está a desenrolar, com tantas dúvidas a pairar no ar e na proximidade das eleições, só  reforçam a suspeição de que há muito a esconder e que se pretende assegurar a continuidade do actual ciclo governativo.

Esta Instituição, quase bicentenária, de propósito social e humanista, merece muito mais do que esta Administração lhe está a oferecer, e esse é o desafio que, espero, se coloque nas próximas eleições de Dezembro.

About Transparência e Escrutínio

Autor: Sócio nº 28.332 do MG, desde 1966. Espaço de comentário e reflexão sobre a evolução e relação do Montepio com a Sociedade Portuguesa. Pretende defender os valores mutualistas, a Missão da AM e interessar os associados na vida da AM.

One response to “O MISTIFICADOR: 2012, depósitos Montepio sem crescimento e resultado à custa da AM

  1. Ana Pereira

    Queixamo-nos que desprezam a cultura neste país mas eu só vejo bons malabaristas e engenharias financeiras!! Eu ( ex funcionária do ex-finibanco ) tenho o triste orgulho de ter sido eu a descobrir e alertar para um buraco gigantesco que provocou uma reunião de emergência com as cúpulas. E tudo por má gestão. E para tentar colmatar o facto nem me atrevo a dizer o que se fez mas como coincidou com o estouro da crise não deu tempo a recuperar.

    Agora com esta sua publicação fico a entender melhor porque se dizia que os vendedores do Finibanco tinham feito um excelente negócio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: